PARTO NORMAL: O GUIA ABSOLUTAMENTE COMPLETO

0
1002
Parto normal
PARTO NORMAL: O GUIA ABSOLUTAMENTE COMPLETO
4.5 (90%) 22 votes

Se tem algo que deixa as mulheres apreensivas quando o assunto é gravidez é a questão do parto. Os medos e as dúvidas são naturais, e decidir entre o parto normal ou uma cesariana, por exemplo, pode ser mais difícil do que se imagina.

Mas se lhe perguntassem qual é o melhor tipo parto, você saberia dizer? Bem, é claro que há uma série de fatores (geralmente relacionados à saúde) que podem interferir na resposta.

No entanto, de uma maneira geral, toda mulher deve considerar que o parto normal é a melhor alternativa, já que os benefícios superam facilmente os riscos. Além disso, essa é a forma natural de dar à luz, sendo assim, estar bem informada sobre o assunto é uma obrigação.

Por isso, nesse artigo nós iremos apresentar absolutamente tudo o que você precisa saber sobre o parto normal. Se você está grávida ou deseja engravidar, não perca a leitura. Confira!

Parto normal: do pré-natal ao pós-parto

Para começar, é interessante que você tenha uma visão mais abrangente do parto normal, desde o pré-natal até o pós-parto. Compreender um pouco melhor as etapas lhe deixará mais tranquila em relação a sua escolha.

Pré-natal

O acompanhamento pré-natal é de extrema importância para todas as gestantes, sem exceção. Os exames realizados nessa fase visam detectar as alterações que podem resultar em problemas à saúde da mamãe ou do bebê.

Além disso, é durante os cuidados pré-natais que você receberá as orientações gerais sobre a gravidez. Alimentação, exercícios, o que pode e o que não pode, por exemplo, são tópicos que serão abordados.

Saiba também que se o pré-natal for bem realizado não haverá surpresas no nascimento. Devido aos exames ultrassonográficos cada vez mais sensíveis, é possível confirmar ou eliminar a ocorrência de deficiências como a Síndrome de Down.

O recomendado é que você comece seu pré-natal assim que sua gravidez for confirmada, pois essa etapa pode prevenir uma série de complicações justamente por lhe orientar a como se comportar durante a gestação.

Aproveite o pré-natal e tire todas as suas dúvidas em relação ao parto normal. Não deixe de perguntar nada ao seu médico, por mais “tola” que pareça a pergunta.

Trabalho de parto

O trabalho de parto é a fase mais aguardada da gravidez, e o momento de maior apreensão por parte das mulheres. Embora o pré-natal e o pós-parto façam parte do processo como um todo, é aqui que o parto normal de fato acontece.

Essa etapa é dividida em 3 estágios:

  • Dilatação;
  • Expulsão;
  • Dequitação.

A dilatação se resume ao estágio das contrações, o momento inicial do trabalho de parto. Seu colo do útero começa a se dilatar para a entrega do bebê. No começo, as contrações são leves e irregulares, mas gradativamente se tornam mais intensas e regulares, seguindo um padrão previsível (a cada 10 minutos, por exemplo).

A expulsão se inicia com a dilatação completa do colo do útero (10 cm), sendo que as contrações somadas a força que a gestante faz levarão à expulsão do bebê pelo canal vaginal. Já a dequitação é o estágio onde a placenta e as membranas fetais são expulsas do seu corpo.

Não deixe de conferir o nosso artigo: O guia absolutamente completo sobre o trabalho de parto!

Pós-parto

A recuperação do parto normal em comparação ao parto cirúrgico (cesariana) é indiscutivelmente melhor. Após o nascimento do bebê, a mulher já é capaz de se levantar e tomar um banho sozinha.

É importante também considerar o fato de que você precisará cuidar do pequenino. No parto normal, por exemplo, você estará em melhores condições físicas e mentais para tal.

No entanto, vale frisar que o pós-parto do parto normal pode ser um pouco mais desconfortável do que o esperado. Isso ocorre quando é feito um corte no períneo, área entre o ânus e a vagina. Esse procedimento é chamado de episiotomia.

Se o parto normal for realizado sem a episiotomia, você estará andando em algumas horas, com poucas dores. Caso contrário, sua recuperação se torna levemente mais dolorosa, contudo, o pós-operatório da cesariana é ainda mais penoso.

Benefícios do parto normal

É importante que você esteja ciente que os benefícios do parto normal não se resumem apenas a recuperação pós-parto. Sua saúde e a do bebê assim como o vínculo entre mãe e filho levam vantagens.

Para a mãe, o simples fato de conseguir completar a gestação da forma natural passa uma sensação de alegria e vitória. Além disso, a probabilidade de sangramento ou infecção é bem menor, sem contar que no parto normal não há o “comprometimento” do útero, que retorna ao seu tamanho natural mais rapidamente.

Outro ponto que vale destacar é que um primeiro parto normal tende a facilitar um segundo, ou seja, seu organismo estará mais preparado para um segundo trabalho de parto caso você tenha optado pelo parto normal em sua primeira gravidez.

Já em relação ao bebê, o parto normal possibilita o contato com a pele da mãe logo após o nascimento, que é exatamente o lugar onde ele deve ir. Em uma cesariana, o pequenino vai para um berço.

No parto normal, a criança nasce com o pulmão em melhor funcionamento e mais preparada para a amamentação. De um modo geral, o bebê vem ao mundo “mais maduro”.

Riscos do parto normal

Apesar de ser considerado a opção que oferece os melhores benefícios, o parto normal também tem seus riscos. Os exames pré-natais são os responsáveis pela detecção das possíveis anormalidades, por isso, é fundamental ter um bom acompanhamento.

As contraindicações para o parto normal podem ser motivadas por fatores:

Maternos

Entre os fatores maternos estão:

  • hipertensão;
  • cardiopatias;
  • HPV ativos;
  • HIV;
  • herpes genital;
  • diabetes descompensado;
  • câncer do colo do útero;
  • infecções agudas;
  • falta de condições psíquicas para o enfrentamento do parto normal.

Fetais

Os fatores fetais incluem:

  • desproporção materno-fetal (feto muito grande);
  • doenças cardíacas fetais;
  • sintomas de sofrimento fetal.

Obstétricos

Entre os fatores obstétricos encontramos:

  • ruptura uterina;
  • deslocamento da placenta;
  • feto em posição imprópria;
  • suspeita de que o cordão umbilical esteja enrolado;
  • problemas ósseos da pelve materna;
  • gestações múltiplas;
  • volume do líquido amniótico inadequado.

5 dúvidas comuns sobre o parto normal

Mesmo após tudo o que foi visto até aqui, é provável que você ainda tenha algumas dúvidas, certo? É normal, não se preocupe, até porque há diversos mitos em relação ao parto normal que foram construídos ao longo do tempo.

De qualquer maneira, prossiga a leitura veja as principais dúvidas sobre o parto normal. ESCLARECIDAS!

1. Qual a duração do trabalho de parto?

A dinâmica do trabalho de parto nas mulheres que nunca deram à luz (nulíparas) dura normalmente entre 12 a 14 horas. O período expulsivo, mais especificamente, leva em média 1 hora.

Para as mulheres que já pariram anteriormente (multíparas), os estágios do parto normal ocorrem entre 8 a 9 horas, com o período expulsivo de aproximadamente 30 minutos.

2. O parto normal dói muito?

Uma dos assuntos mais frequentes entre as mulheres em sua primeira gestação e as que já tiveram um parto normal é se o procedimento foi muito doloroso.

Primeiramente, é preciso compreender que a dor faz parte do processo de parturição, porém, a intensidade e o desconforto serão diferente de mulher para mulher.

Portanto, “doer ou não doer” é uma questão muito relativa, e que não deve ser olhada como uma situação de sofrimento. Confie na sabedoria da natureza, que designou a mulher para dar à luz de forma natural, sem intervenção cirúrgica.

Durante o trabalho de parto, o organismo feminino eleva gradativamente os níveis de endorfina na corrente sanguínea, substância analgésica que atua justamente no alívio das dores.

Além do que, quando a dor do parto normal for muito intensa é possível amenizá-la com anestesia. A equipe médica lhe orientará nesses casos, não se preocupe.

3. É verdade que a vagina fica diferente após o parto normal?

Você provavelmente já deve ter ouvido falar que o parto normal alarga o canal vaginal, correto? Pois bem, saiba que essa informação por si só já é motivo suficiente para que algumas mulheres optem pela cesariana, o que é um erro.

Devido à passagem do bebê pelo canal vaginal, é natural que a musculatura da região se distenda um pouco. No entanto, assim como o restante do corpo, a vagina tende a retornar ao seu estado normal.

Saiba que por se tratar de um músculo, há exercícios que o fortalecem e o preparam melhor para o parto. Um exemplo disso são os exercícios de Kegel, que devem ser praticados a partir do quarto mês de gestação.

Portanto, o medo de perder a sensibilidade e o prazer sexual, por exemplo, pode ser descartado. Apenas considere ter a primeira relação em no mínimo 40 dias após o parto normal, período necessário para que o corpo se recupere da gravidez.

4. É verdade que grávida de gêmeos não pode ter parto normal?

Não, não é verdade. Contudo, é preciso considerar algumas questões, como por exemplo a posição que os pequeninos se encontram. Ao se tratar do parto normal, o primeiro bebê deve estar de cabeça para baixo.

Outro ponto a observar é a diferença de peso entre os gêmeos, que não pode ser muito. É preciso avaliar também a prematuridade, já que a gravidez gemelar é completada geralmente antes das 40 semanas.

5. As mulheres mais baixinhas ou com os quadris estreitos podem ter parto normal?

Ao contrário do que muitas mulheres pensam, as magrinhas ou “pequenininhas” podem ter um parto normal sim! A questão aqui envolve apenas o trabalho de parto: se as contrações forem consistentes e houver a dilatação total (ou quase), o parto normal ocorrerá sem problemas nenhum.

Por fim, lembre-se de levar em consideração todas as alternativas, e se informe o máximo que puder sobre elas. O parto normal seguramente é a melhor opção, mas você precisa estar em boas condições de saúde física e mental.

Procure manter a calma, e tenha em mente que o parto normal é um processo natural no qual seu corpo está preparado para suportar.

Gostou do nosso artigo? Quer ficar por dentro de outros assuntos relacionados à gravidez? Então assine nossa newsletter e não perca nenhuma novidade!