COMO EVITAR E TRATAR AS VARIZES NA GRAVIDEZ

0
451
Varizes na gravidez
COMO EVITAR E TRATAR AS VARIZES NA GRAVIDEZ
3.2 (64.44%) 9 votes

Dor, inchaço e desconforto, esses são alguns dos sintomas que as varizes na gravidez podem trazer à mulher. Embora seja improvável que elas resultem em complicações mais graves, o problema certamente está entre as principais “dores de cabeça” no que diz respeito ao período gestacional.

Normalmente, o motivo dessa preocupação é mais relacionado a questão da aparência, afinal, todas nós somos um tanto quanto vaidosas em relação ao nosso corpo, não concorda? 

No entanto, não é preciso se descabelar por causa disso, já que o problema tende a desaparecer logo após o puerpério (período de 6 a 8 semanas após o parto). Para que você tenha uma ideia, cerca de uma em cada três mulheres terão varizes na gravidez, ou seja, algo relativamente comum entre as gestantes. 

Mas afinal, por que as varizes são mais comuns na gravidez?

Que as varizes se referem à veias dilatadas você já sabe, mas provavelmente deve estar se perguntando porque elas são mais comuns na gravidez, certo? Pois bem, o surgimento delas ou até mesmo a piora do quadro, caso você já sofra com o problema, ocorre pelo fato de que a veia cava inferior assim como as veias pélvicas são pressionadas pelo crescimento do útero. 

Essa pressão nas veias das pernas juntamente com a elevação dos níveis de progesterona são as principais razões por trás das varizes na gravidez. Conforme o bebê vai se desenvolvendo, essas veias de aspecto “azulado” tendem a ficar ainda mais evidentes, podendo causar um pouco de dor e um leve desconforto. Contudo, na maioria das vezes o único incômodo que elas causarão será relacionado à parte estética. 

Vale ressaltar também que fatores genéticos e condições como a obesidade contribuem para o aparecimento das varizes. Apesar de serem habituais nas pernas, é possível que elas se desenvolvam em outras partes do corpo.   

É possível evitar as varizes na gravidez?

Talvez não dê para evitá-las completamente, mas sim para minimizá-las. De acordo com Celso Bregalda Neves, ex-secretário-geral e atual membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), a melhor maneira de prevenir as varizes na gravidez é evitando o ganho de peso exagerado e praticando exercícios, além de fazer uso das meias elásticas.   

De qualquer modo, veja a seguir os hábitos que você deve incorporar no seu dia a dia antes mesmo de apresentar o problema:

  • mantenha suas pernas erguidas sempre que possível. Caso você trabalhe sentada, procure deixar um banquinho embaixo da sua mesa. Ao deitar, posicione seus pés sobre um travesseiro afim mantê-los mais altos do que o corpo. Outra dica é não se deitar sobre o seu lado direito, já que a veia cava inferior se encontra exatamente ali, o que a pressionaria ainda mais;   
  • coloque meias elásticas assim que você se levantar da cama, de preferência antes de pisar no chão. Isso evita a concentração de sangue nas pernas;     
  • procure se exercitar todos os dias (uma leve caminhada já ajuda bastante);
  • quando for sentar, evite cruzar as pernas;
  • tente não ficar de pé por muito tempo;
  • tenha cuidado com a sua alimentação (o excesso de peso favorece o surgimento das varizes).

É perigoso ter varizes durante a gravidez?

Normalmente, as varizes na gravidez não incidirão em riscos algum a saúde da gestante, muito menos a do bebê. No entanto, é natural que a região afetada fique inchada, coce ou até mesmo cause um pouco de dor, mas não é comum que isso resulte em complicações mais graves.

Apesar disso, é importante ter em mente que sim, há uma pequena possibilidade do problema se tornar algo de fato perigoso, como por exemplo a formação de coágulos de sangue, isto é, uma trombose venosa.  

Outro ponto que vale destacar é em relação aos improváveis sintomas que podem acompanhar as varizes, tais como:

  • vermelhidão e sensibilidade do local afetado;
  • febre;
  • dor generalizada nas pernas;
  • falta de ar repentina;
  • taquicardia.

Caso você apresente os sintomas acima, se direcione ao hospital o mais depressa possível! Em situações raras, a falta de ar repentina ou taquicardia pode ser um indício de embolia pulmonar, ou seja, a entrada de coágulos nos pulmões.

Por essa razão, é indispensável procurar ajuda médica para investigar esses sinais e tratá-los o quantos antes. Portanto, repetindo: caso experimente esses sintomas, “corra” até o pronto-socorro mais próximo, não se esqueça disso!

Existe algum tratamento para as varizes na gravidez?

Bem, existem uma série de cremes disponíveis no mercado que podem aliviar os sintomas das veias dilatadas. Entretanto, não há nenhum estudo científico que comprove que tais produtos possam consertar uma veia já danificada. 

O indicado é aguardar o parto e o período posterior no qual o corpo feminino retorna ao seu estado pré-gravidez, chamado de puerpério. Conforme já mencionamos no início deste artigo, as varizes costumam desaparecer após esse tempo de recuperação, algo que leva em torno de 6 a 8 semanas.

Para concluir, saiba que se as varizes se tornarem um problema a ponto de realmente lhe incomodar, é possível recorrer a um procedimento cirúrgico. Porém, caso você opte por realizar tal cirurgia, tenha em mente que as veias dilatadas voltarão a estar presentes em uma possível nova gravidez, pelo menos é o que se espera.

Por isso, se você planeja ter mais filhos, tenha paciência e espere por eles. Após passar por todas as suas gestações, aí sim, recorra a uma cirurgia caso as varizes persistam e lhe tirem o sono.

O que achou do nosso artigo sobre varizes na gravidez? Gostou? Então não deixe de ler o nosso guia completo sobre o parto normal. Você vai gostar também!